Última música do cantor João Carreiro foi feita em homenagem ao avô


O cantor sertanejo João Carreiro morreu nessa quarta-feira (3), aos 41 anos em Campo Grande. O artista sofreu uma complicação durante uma cirurgia para adicionar uma válvula no coração.

Conhecido por ter formado dupla ao lado de Capataz nos anos 2000, ele continuava investindo em uma carreira solo e realizando shows ao redor do Brasil. A última apresentação foi em Pedra Preta, município em Mato Grosso, Estado onde nasceu, na virada do ano.

Leia também

| Cantor sertanejo João Carreiro morre aos 41 anos após cirurgia no coração

O artista teve grande importância ao popularizar o estilo "sertanejo bruto" ao lado de Capataz. Seu último lançamento, feito em dezembro mantendo o estilo "moda de viola" com a voz grossa, teve uma triste coincidência: João a compôs como homenagem após a morte do avô, Euripedes Correa, a quem chamava de sua "maior inspiração".

Depois da repercussão da morte do sertanejo, fãs do gênero passaram a publicar trechos da letra nas redes sociais.

 

Quem foi João Carreiro?

João Carreiro nasceu em 1982 em Cuiabá, no Mato Grosso, e alcançou sucesso ao lado de Capataz nos anos 2000. Os dois foram responsáveis por popularizar o "sertanejo bruto", estilo que rejeita o "sertanejo urbanizado" e celebra as origens do gênero.

Os "brutos" se orgulham de suas origens, cantam com uma voz grossa e um sotaque arrastado, além de exaltarem o "modão". Uma das maiores referências para o estilo e para a dupla foi Tião Carreiro, que morreu em 1993.

João Carreiro e Capataz alcançaram sucesso com a música Bruto, Rústico e Sistemático, uma das maiores representantes do gênero, de 2009. A canção chegou a ser trilha sonora da novela Paraíso, da Rede Globo, mas recebeu críticas por trechos apontados como homofóbicos e machistas.

Em 2012, os dois negaram que a música tivesse esse teor ao Jornal da Tarde. "Não tem nada a ver. Criamos uma personagem para a música, que é um caboclo que acha errado homem com homem e mulher com mulher, do mesmo jeito que não aprova tatuagem e deu um 'corretivo' na esposa", disse João Carreiro. "Olha só, nós temos tatuagem e quem manda nas nossas casas são nossas esposas", completou Capataz.

A dupla se separou em 2014 após João enfrentar problemas de saúde mental. O ex-companheiro de dupla lamentou a morte nas redes sociais. "Ninguém, além de nós, saberá o que vivemos", escreveu.

Cobertura do Jornal da Nova

Quer ficar por dentro das principais notícias de Nova Andradina, região do Brasil e do mundo? Siga o Jornal da Nova nas redes sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram e no YouTube. Acompanhe!